Asfalto que brilha…

Desnecessário dizer que, para se conseguir fotos assim, tem de arriscar o pescoço !!! 😀  Os caminhões passavam numa velocidade que o vento produzido por eles balançava fotógrafa, câmera, sobretudo e tudo o mais… Mas valeu a pena! O asfalto na contra-luz da manhã brilhava como se fosse feito de diamantes!

Essas, com certeza, são as estradas que te trazem aqui para FotoLândia, caro passante! Bem-vindo!

 

 

Dica: clique para ver as fotos ampliadas!

Trabalho de verdade…

… foi o que o Professor Luc pediu para minha turma na matéria de Fotografia PB (Preto e Branco, para os passantes não tão íntimos! 😀 ). Ele pediu uma releitura de uma fotografia em PB e até aí, tudo bem! O detalhe: em FILME!

Para quem possa ter pensado: – Ah, não pode ser tão difícil assim! Eu digo: engano seu!

Depois de dois filmes perdidos em duas tentativas com máquinas diferentes, muita ansiedade (afinal, revelar um filme leva um tempinho!), frustação e nervosismo… finalmente joguei o lenço e pedi ajuda profissional! E foi aí que o S. Domingos entrou em ação! Se não fosse a ajuda dele e da modelo favorita aqui da FotoLândia: Célia, esse trabalho não teria saído! Muito obrigada aos dois!

E o resultado de todo esse TRABALHO vocês conferem aqui! Espero que gostem!

 

Foto Original de Juliana Hoppe (Cliquem na foto para irem para o site de Altair Hoppe)

Releitura entregue!

 

 

Mas essa foi a favorita!

 

E uma propagandinha básica, para quem mora em PG: Foto Elite, pessoal! Além de ter a grande experiência do S. Domingos, ainda é o ÚNICO – acreditem, eu procurei! – foto da cidade onde achei filme PB para vender! Vale a pena… na Francisco Ribas, uma quadra antes da Caixa econômica! 😉

Célia e S. Domingos: se não fosse vocês, heim!

O Mercado Municipal de Curitiba!

A agitação, a correria, as cores… a vida do Mercadão Municipal! Sejam bem-vindos.

Mercado Municipal de Curitiba

Mercado Municipal de Curitiba

Mercado Municipal de Curitiba

Mercado Municipal de Curitiba

Mercado Municipal de Curitiba

Dica: clique nas fotos para vê-las ampliadas

Cores…

Atenção passantes: Não! A fotolândia ainda não virou uma cidade fantasma dos filmes de “faroeste”! 😀

Logo logo teremos aqui um ensaio fotográfico feito no Mercadão Municipal de Curitiba! Aguardem e, enquanto isso, fiquem com uma foto alegre, simples e totalmente colorida! Espero que gostem!


Meu primeiro retrato…

… foi da Dona Maria de Lourdes!

Está certo, eu já fotografei rostos antes, principalmente nos books que fiz para amigas, dezenas de vezes! Mas fotografar rostos é uma coisa, fazer um retrato é outra. Pela primeira vez, eu fiz um retrato de verdade. Meio “sem querer querendo” foi assim que aconteceu:

Saímos da escola para tirar umas fotos (novidade! 🙂 ) e fomos seguindo a rua tranquila na tarde quente de domingo. Descemos a rua por cerca de meia hora e começamos a voltar. Eu fiquei para trás e, quando passava por mais uma das muitas casas locais,  uma senhora que estava ao portão me perguntou o que estávamos fazendo.

Eu contei que éramos estudantes de fotografia daquela escola logo ali na frente. E ela me contou que uma moça tinha tirado uma foto dela. Percebi que ela iria gostar de ter aquela foto e me ofereci para descobrir quem havia batido e também para fazer mais uma foto. Ela gostou da idéia, percebi na hora. Passou as mãos pelos cabelos, ajeitando-os, e apoiou o rosto na mão fazendo uma pose.

Foi um momento simples. Eu olhei o fotômetro pelo visor, enquadrei,  ajustei velocidade e abertura e bati a foto.

Foi tão rápido… na hora, só olhei para o LCD para conferir a exposição e mostrar para a Dona Maria de Lourdes como havia ficado. Ela ficou meio na dúvida, mas não quis pedir para eu tirar outra, percebi. E eu também tinha de correr para alcançar os colegas. Anotei o email da filha dela e fui embora.

A grande surpresa veio quando baixei a foto.

Fiquei olhando os cabelos, a mão com as unhas bem feitinhas, o rosto com as marcas da experiência (não é um eufemismo, caro leitor passante, eu quis mesmo dizer experiência ao invés de idade!)… e me peguei pensando se a Dona Maria de Lourdes (nome que eu só descobri depois, trocando emails com a filha dela) sabe quão bonita ela é.

Não é aquela beleza clichê e despersonalizada das revistas e outdoors por aí. É aquela beleza humana do olhar doce, do sorriso leve, da expressão calma… beleza que passa batido no dia-a-dia, que passou batido para mim quando fiz aquele retrato.

Feliz e grande supresa! De todas as fotos, a mais intinstiva foi a melhor. Às vezes, o melhor a fazer é não pensar (embora a engenheira em mim relute muito contra isso! :D) . Às vezes o melhor a fazer é só sentir e se deixar levar. Dona Maria de Lourdes me atraiu como um íman para um retrato que valeu a tarde, o final de semana… não sei não se não valeu o mês, viu!

Obrigada, Dona Maria de Lourdes, a senhora é muito linda!


Dona Maria de Lourdes

O Post sem Foto!

– E aí, como vai o curso?

– Muito bem, obrigada!

ou  ainda…

– Uma delícia, não vejo a hora de chegar o próximo final de semana!

Respostas padrão.

É claro, são encontros rápidos de corredor, de esquina, de mercado. Pergunta gentil para ser educado, resposta padrão para ser simpática!

A resposta certa na verdade é:

– Ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh!

Eu sei que você, caro leitor passante, não esperava por isso.  Mas eis a realidade!

Esse “ah” tão longo e angustiado é meu desabafo.

Quanto mais aprendo e mais me encanto, melhor percebo quanto estou longe de fotografar alguma coisa! Aprender mais está criando em mim essa consicência (odiosa!) da distância entre o que pode ser e o que é, de fato.

Eu sei que tudo na vida é assim, mas essa pessoa ingênua aqui, teve esperanças de que fosse ser “menos pior” com a tal da fotografia! Sabe-se Deus por quê!

O fato é que, como todo o resto na vida, teoria é uma coisa, prática é outra.

Meu “processo fotográfico” tem evoluído, é claro, com toda essa base teórica e cada vez mais prática, mas no momento, sinto que anda assim:

Penso, penso, penso. Fotografo. Descubro que fiz algo errado. Fotografo novamente. Vejo (pelo pequeno LCD) que o resultado não era bem o que eu queria. Volto a pensar, pensar e pensar. Fotografo de novo. Baixo a foto para o computador. Abro. É LIXO. DELETO.

Desesperador. Você pode até achar que é exagero meu. Mas só acha isso porque não viu meu trabalho de PB (Preto e Branco) da penúltima aula. Reforço: desesperador.

E você pode estar pensando também que estou sendo muito auto-crítica. Aí você acertou! Afinal, não é a cobrança dos professores que me fará crescer, é a minha própria cobrança.

De qualquer maneira, estou brava comigo por não conseguir algo descente ultimamente. E por isso esse post não tem foto. Só escrevo outro post quando conseguir algo ligeiramente próximo de uma fotografia!

Nada. Por Ana Paula Aletto!

Nota: Por favor, nada de comentários piedosos nesse post, poupem essa pobre fotógrafa medíocre de ter de respondê-los com falsas expressões de empolgação e esperança! Grata!