Blind Guardian Brasil

Fã de verdade tem os álbuns originais, DVDs, autógrafos, fotos com “os caras”… e até camiseta!!!  😀

Visite www.blindguardianbrasil.com.br e compre a sua também!

 

 

Camiseta do Blind Guaridan Brasil – Frente

 

 

Camiseta do Blind Guaridan Brasil – Costas

Divagações analógicas…

Tudo começou quando ganhei um câmera Yashica J – pasmem, da década de 60! Toda manual, um charme… –  do meu bom amigo e colega de trabalho, Robinson. Era para eu fazer um trabalho para o curso e era para ser feito em película, ou seja, nosso velho amigo filme. Na época, testei a câmera mas o filme saiu virgem… foi uma decpção! Mas eu tinha o trabalho para fazer e mais toda a correria do curso… acabei deixando a câmera de lado.

O curso terminou e eu lembrei da pobrezinha abandonada lá no armário. Quem diria que um pequeno parafuso poderia fazer tanta diferença! A câmera agora funciona! Não como antigamente, claro, muitas fotos não saem pois as velhas palhetas do obturador estão um pouco “enferrujadas”: as vezes não abrem, as vezes não fecham! 😀 Mas as fotos que saem ficam… bem, ficam assim!

 

 

Rio Tibagi

 

 

 

Rio Tibagi

 

 

 

Ladeira do Paredão

 

 

 

Ladeira do Paredão

 

 

 

Tibagi

 

 

E podem aguardar que muitas outras fotos analógicas vem por ai!

Agradecimentos mais que especiais ao Robinson, pela câmera mais que charmosa e especial, e ao S. Domingos que, com sua experiência, me ajudou a desvendar os mistérios da Sra. Yashica J e colocá-la de volta “na ativa”-  aliás, sua primeira câmera fotográfica foi uma dessas!

PS: clique nas fotos para vê-las ampliadas.

PS 2: Filme utilizado, Ilford P&B, ISO 100.

Blind Guardian!

The Bard's Night - Curitiba - 25 de abril de 2012

 

Eu tremia, errei foco, cortei gente… foi um fiasco! As fotos que sairam são meramente apresentáveis, nada mais que isso. Devo desculpas ao pessoal que fotografei nesse dia memorável! E sei que eles irão me perdoar, afinal de contas, veja minha situação: eu estava fotografando meus amigos com os músicos do Blind Guaridan!

Quanto a já citada banda alemã de Power Metal, dispenso os comentários. Se você, caro passante, ainda não conhece, então também não conhece o que é música. Experimente! 😉

Já quanto ao Show realizado por eles nessa quarta-feira em Curitiba tenho apenas um comentário: espetacular. Só quem estava lá pode entender. E a bandeira do Blind Guardian Brasil estava lá no palco graças ao fã mais “cara-de-pau” de todos os tempos, Mr. Virgílio Mirkoski! Que, além da bandeira, ainda presenteou cada um dos membros da banda, em nome do Blind Guaridan Brasil, com uma das concorridíssimas Das Bard. Nossos, agradecimentos, Vir!

 

 

Blind Guardian: Brazil loves you!

 

 

Outra pessoa que merece um obrigada para lá de especial é a Frances, que me ajudou a “contrabandear” minha DSLR (minha câmera grandona!) na sua super mochila, mais útil e incrível que o próprio cinto de utilidades do Batman! 😀 Graças a ela, não tive de passar outro show fotografando com uma compacta! Valeu Frances!

 

 

 

 

E agora, o momento mais esperado: as fotos com Andre, Marcus e Hansi!

Para baixar as fotos, pessoal, cliquem sobre elas. Assim que abrir a versão ampliada (esperam carregar completamente), cliquem com o botão direito sobre a imagem e cliquem em “Salvar Como”.

Hansi com a cerveja "Das Bard" do Vir na mão!

 

A Saga da Cerveja!

Foi mesmo uma saga! É uma saga a cada vez que tenho que fotografar algo em “estúdio”, pois é claro, a amadora aqui, não tem um estúdio de verdade!

No entanto, se teve algo útil que aprendemos com nosso querido Professor Pardal, ops, Ulysses, nas aulas  da escola Portfólio foi a improvisar! E improvisando um estúdio no quarto de visitas (quando não temos visitas, claro! 😉 ) até que as fotos saem. 

Dessa vez, a “vítima” foi a cerveja artesanal que meu esposo preparou para uma ocasião especial: a “The Bard’s Night”. Para os headbangers de plantão, espiem no site do Blind Guardian Brasil.

 

 

Das Bard - Cerveja Weiss Artesanal

 

 

E eu sei que parece muuuuito fácil, mas fazer uma foto dessas não tem nada de simples mesmo… que o diga o pobre quarto/estúdio que terminou “virado no quê que é isso”! 😀

 

 

 

Me indica uma câmera profissional…

Nem lembro mais quantas vezes eu respondi: – Não, você não quer uma câmera profissional, acredite! 😀 E para poupar maior trabalho, resolvi escrever esse artigo onde resumi, a grosso modo, os principais tipos de câmeras para que quem quer escolher um novo modelo possa tomar uma boa decisão. E se mesmo depois da leitura ainda restarem dúvidas, é só escrever!

 

 

Não quero adentrar em marcas ou modelos específicos, apenas nos tipos de câmeras, mas uma observação sobre marcas é importante. As melhores câmeras são, de longe, as Nikons e Canons, em qualquer nível. Eu, particularmente, não gosto e nunca recomendo Sonys (nem para compactas, muito menos para maiores!). Uma marca alternativa que eu recomendo para compactas é a Cassio, baratinhas e muito boas, tenho uma que não sai da minha bolsa.

Dito isto, vamos dividir aqui as câmeras em dois grandes grupos: Point-and-Shoot e DSLR. Point-and-shoot, traduzindo literalmente, significa “aponte e dispare” e pertencem a essa grupo as compactas e compactas avançadas. Já as DSLRs (Digital Single-lens Reflex) ou Reflex são as câmeras que tem um sistema de reflexão de imagem com espelho, daí o Reflex, e lentes intercambiáveis. São as Semi e as Profissionais. Explicando um pouco melhor cada grupo:

 

COMPACTAS: são essas que quase todo mundo tem em casa e que fazem quase tudo sozinhas, sem que seja necessário se entender nada de fotografia, apenas dar uma boa lida no manual.

 

COMPACTAS AVANÇADAS: essas tem todas as funções automáticas das compactas e mais muitas opções manuais, além de qualidade extra na imagem muitas vezes. É o tipo de câmera recomendada para alguém que começa a entender melhor como uma câmera funciona e já se arrisca um pouco no modo manual, que já tem algumas noções a mais de fotografia e começa a ficar mais exigente. Essas câmeras tem lentes fixas (ou seja, não trocam) e geralmente vem com excelentes zoons ópticos (nunca usem zoom digital, passantes… NUN-CA!rsrs). Os preços são interessantes e bem acessíveis e os modelos bastante variados. Embora um pouco maiores que as compactas, essas são máquinas que ainda são fáceis de se levar por aí, ou carregar na bolsa!

 

SEMIPROFISSIONAIS: a partir daqui o custo começa a ficar um pouco mais alto! As Semi já são DSLRs e você começa a comprar a câmera por partes : corpo, lentes, flashs, quase tudo separado!  Também comece a considerar que a câmera já não é mais tão portável, pois elas começam a ficar grandes, pesadas e desajeitas, além das partes sobressalentes que você vai querer levar junto. No entanto, a qualidade de imagem já é muito superior e há a possibilidade de controle total das funções da câmera (abertura do diafragma, velocidade de obturação, sincronizão de flash, etc). Aqui também já se tem a opção de fotografar em RAW, ao invés de apenas JPG. Isso é uma vantagem bastante grande, mas para fazer uso desse recurso é necessário dominar o básico de algum software de manipulação de imagens, além de ter um computador que “aguente o tranco” desses softwares e que tenha espaço de sobra no HD, pois uma imagem em RAW chega a pesar 10 vezes mais que uma JPG facilmente.

 

PROFISSIONAIS: custam o preço de um carro usado, não tem praticamente nada de automático, a maioria dos modelos nem flash embutido tem, sendo necessário adquirir um flash dedicado além de serem realmente grandes e pesadas. Eu não recomendaria nunca para ninguém que não vá trabalhar com uma, preferencialmente dentro de um estúdio.

 

Apresentados os tipos de câmeras, minha dica é, para quem quer se iniciar nesse mundo mágico da fotografia, comece com uma compacta – pode ser aquela que você já tem em casa mesmo! – , leia o manual, domine-a e depois sim, migre para um compacta avançada e daí por diante. Também é importante pesquisar e ler a respeito das coisas mais básicas como: FOCO, Exposição, Composição, Balanço de Brancos, Flash, etc. Entendo um pouco mais do assunto se faz “horrores” com uma compacta mesmo… o segredo nunca está na câmera, o segredo é o fotógrafo: sua sensibilidade e olhar, sempre!

Sobre a Ana… Sobre a Paula: as fotos!

Finalmente pessoal!

Desde que eu escrevi o texto “Sobre a Ana… Sobra a Paula!” – curiosamente um dos textos mais “badalados” do blog ! –  que eu tinha vontade de colocar umas fotos para ilustrar o texto. Cheguei até a colocar alguma coisa uma vez mas, aquelas ainda não eram “AS” fotos, se é que me entendem… no final, preferi deixar sem nada.

Um dia, então, na matéria de Fotografia Autoral do curso que faço na Escola Portfólio, a Profe Gabi (chequem só o blog dela: http://gabrielaleirias.wordpress.com/) nos desafiou com um trabalho de autoretrato. E quando eu digo “desafiou”, não estou exagerando, porque para mim foi realmente um desafio.

Indecisa como sou, não conseguia chegar a um idéia: como fotografar a Ana e a Paula? Pensei e pensei, mas no final o resultado veio quase que naturalmente! Acabei fazendo três sessões com fotos completamente diferentes para conseguir as fotos que eu queria: a visão da Ana, a visão da Paula e a visão da Ana Paula! É… vocês vão entender melhor quando assistirem o vídeo com o resultado do trabalho!

Ah, mas antes disso, queria deixar aqui meu agradecimento mais que especial aos meus ajudantes: Célia e Ariela (as super amigas), Bita e Bitão (meus “veínhos”) e Vei e Amarula (minha “matilha”)! As fotos em que vocês verão duas de mim mesma não são montagens. Essas fotos foram feitas usando uma técnica bem trabalhosa e demorada e, para cada umas delas eram necessárias duas pessoas trabalhando, no mínimo, além de mim mesma. Esse trabalho não teria saído sem a ajuda e paciência desses ajudantes! 😀

Para finalizar, fica um “tira gosto” aqui na nesse post, mas o vídeo com o trabalho completo e a perfeitíssima trilha sonora do Blind Guardian vocês checam na página “Sobre a Ana… Sobra a Paula!”, afinal, tinha de ser lá, não é mesmo!

 

 

Sobre a Ana... Sobre a Paula - Por Paula

 

 

Sobre a Ana... Sobre a Paula - Por Ana

 

 

Sobre a Ana... Sobre a Paula - Por Ana Paula

 

 

Atendendo a pedidos…

… colocamos aqui na FotoLândia a foto que andou fazendo o maior sucesso no FaceBook!

 

Amarula, a beagle voadora!

 

PS: Me sinto na obrigação de informar que ela adora isso tá! A cara de “pobre coitada” é apenas a genética resultante da evolução e servia para que a gente acreditasse que eles eram um coitadinhos, ficássemos com dó e lhes déssemos comida (quanto mais cara de “coitado”, maiores a chances de sobreviver e se reproduzir, capitaram? 😉  ) sem saber que dentro desses, supostamente, doces cachorrinhos moram monstrinhos bagunceiros, destruidores  e arteiros que adoram brincar de “voa na cama”!  😀