O processo cruzado

Processo cruzado? Resumindo: filme slide/chromo (positivo) revelado como se fosse um filme negativo comum. Isso muda as cores, bagunça tudo e deixa as fotos muuuuito mais interessantes! 😀 Chequem só:

Mais analógicas…

Câmera mais “moderninha” dessa vez: testando minha nova La Sardina, The Guvnor! com filme da Lomography, Color, Iso 400.

E pessoal, eu estou amando! Fotografar com câmera analógica é outra técnica, outra linguagem, outro tudo… liberdade total, diversão, pura espontaneidade! Acho que me apaixonei…

 

 

Pinheiro do Brasil – “Araucária angustifolia”

 

 

Ipê amarelo – “Tabebuia alba”

 

 

Mais Ipê…

 

 

Adivinhe… P-)

 

 

Só as janelas…

 

 

Autorretrato…

 

 

PS: Clique para ver as fotos ampliadas!

Divagações analógicas…

Tudo começou quando ganhei um câmera Yashica J – pasmem, da década de 60! Toda manual, um charme… –  do meu bom amigo e colega de trabalho, Robinson. Era para eu fazer um trabalho para o curso e era para ser feito em película, ou seja, nosso velho amigo filme. Na época, testei a câmera mas o filme saiu virgem… foi uma decpção! Mas eu tinha o trabalho para fazer e mais toda a correria do curso… acabei deixando a câmera de lado.

O curso terminou e eu lembrei da pobrezinha abandonada lá no armário. Quem diria que um pequeno parafuso poderia fazer tanta diferença! A câmera agora funciona! Não como antigamente, claro, muitas fotos não saem pois as velhas palhetas do obturador estão um pouco “enferrujadas”: as vezes não abrem, as vezes não fecham! 😀 Mas as fotos que saem ficam… bem, ficam assim!

 

 

Rio Tibagi

 

 

 

Rio Tibagi

 

 

 

Ladeira do Paredão

 

 

 

Ladeira do Paredão

 

 

 

Tibagi

 

 

E podem aguardar que muitas outras fotos analógicas vem por ai!

Agradecimentos mais que especiais ao Robinson, pela câmera mais que charmosa e especial, e ao S. Domingos que, com sua experiência, me ajudou a desvendar os mistérios da Sra. Yashica J e colocá-la de volta “na ativa”-  aliás, sua primeira câmera fotográfica foi uma dessas!

PS: clique nas fotos para vê-las ampliadas.

PS 2: Filme utilizado, Ilford P&B, ISO 100.

Vôo de Balão!

Tudo começou na madrugada que tinha o toque especial de ser aquela com a maior lua cheia do ano! Para ajudar nem fez frio como estava fazendo nesses últimos dias. Nada de névoa e nada de vento. Em outras palavras, foi a manhã perfeita para um vôo de balão.

A diversão já começa na montagem do equipamento. Além de não desgrudarmos os olhos da equipe que trabalhava, ainda entramos dentro do gigante colorido enquanto ele estava sendo inflado! Parecia bem menor quando eu via aqui do chão… 🙂

A decolagem é tão suave que mal se sente. De repente você olha para baixo e vê que está subindo… e subindo… e subindo! A vista é linda e o passeio, indescritível. No final, depois da aterrissarmos em uma chácara do outro lado da cidade: café da manhã e brinde com espumante. O brinde, nos explicou o piloto, é uma tradição histórica que eles fazem questão de preservar!

Parabéns a empresa Air Company, reponsável pelo passeio, e a Taiana e aos outros organizadores que trouxeram a empresa, de Campo largo, aqui para PG! Foi perfeito!

 

Maior Lua Cheia do Ano!

E começa a tomar forma…

E esquenta…

Olha só o tamanho!

O Sol nascendo em Ponta Grossa…

Subindo… atravessamos as nuvens!

E o Sol foi um show a parte!

Não resisti e coloquei duas fotos porque esse momento foi espetacular!

Voltando para baixo das nunvens. Outro momento incrível foi o sol iluminando a cidade por frestas nas nuvens. No centro da foto a torre da Catedral de PG!

Se afastando da cidade…

Pousamos em um chácara… fiquei amiga desse cavalo depois! 😀

 

Blind Guardian!

The Bard's Night - Curitiba - 25 de abril de 2012

 

Eu tremia, errei foco, cortei gente… foi um fiasco! As fotos que sairam são meramente apresentáveis, nada mais que isso. Devo desculpas ao pessoal que fotografei nesse dia memorável! E sei que eles irão me perdoar, afinal de contas, veja minha situação: eu estava fotografando meus amigos com os músicos do Blind Guaridan!

Quanto a já citada banda alemã de Power Metal, dispenso os comentários. Se você, caro passante, ainda não conhece, então também não conhece o que é música. Experimente! 😉

Já quanto ao Show realizado por eles nessa quarta-feira em Curitiba tenho apenas um comentário: espetacular. Só quem estava lá pode entender. E a bandeira do Blind Guardian Brasil estava lá no palco graças ao fã mais “cara-de-pau” de todos os tempos, Mr. Virgílio Mirkoski! Que, além da bandeira, ainda presenteou cada um dos membros da banda, em nome do Blind Guaridan Brasil, com uma das concorridíssimas Das Bard. Nossos, agradecimentos, Vir!

 

 

Blind Guardian: Brazil loves you!

 

 

Outra pessoa que merece um obrigada para lá de especial é a Frances, que me ajudou a “contrabandear” minha DSLR (minha câmera grandona!) na sua super mochila, mais útil e incrível que o próprio cinto de utilidades do Batman! 😀 Graças a ela, não tive de passar outro show fotografando com uma compacta! Valeu Frances!

 

 

 

 

E agora, o momento mais esperado: as fotos com Andre, Marcus e Hansi!

Para baixar as fotos, pessoal, cliquem sobre elas. Assim que abrir a versão ampliada (esperam carregar completamente), cliquem com o botão direito sobre a imagem e cliquem em “Salvar Como”.

Hansi com a cerveja "Das Bard" do Vir na mão!

 

A Saga da Cerveja!

Foi mesmo uma saga! É uma saga a cada vez que tenho que fotografar algo em “estúdio”, pois é claro, a amadora aqui, não tem um estúdio de verdade!

No entanto, se teve algo útil que aprendemos com nosso querido Professor Pardal, ops, Ulysses, nas aulas  da escola Portfólio foi a improvisar! E improvisando um estúdio no quarto de visitas (quando não temos visitas, claro! 😉 ) até que as fotos saem. 

Dessa vez, a “vítima” foi a cerveja artesanal que meu esposo preparou para uma ocasião especial: a “The Bard’s Night”. Para os headbangers de plantão, espiem no site do Blind Guardian Brasil.

 

 

Das Bard - Cerveja Weiss Artesanal

 

 

E eu sei que parece muuuuito fácil, mas fazer uma foto dessas não tem nada de simples mesmo… que o diga o pobre quarto/estúdio que terminou “virado no quê que é isso”! 😀